quinta-feira, 12 de outubro de 2017

12 de Outubro - Dia de Nossa Senhora Aparecida

12 de Outubro, dia de Nossa Senhora da Conceição Aparecida


   Nossa Senhora da Conceição Aparecida, quis ser encontrada no rio Paraíba em 1717, e após a encontrarem, encontraram também uma multidão de peixes. Desde o seu aparecimento, ela demonstrou que trazia consigo muitas graças, essas alcançadas de seu adorável Filho.
   A Mãe de Deus adotou o Brasil. Desde 1717 muitos pecadores correram para os braços da mãe, e como filhos perdidos, encontraram o caminho de volta para casa. Ela agraciou os brasileiros imensamente. Mas os brasileiros não a honraram o suficiente.
   Há muito tempo que a chama da devoção a Nossa Senhora Aparecida se apagou nos lares das famílias brasileiras. Ela foi esquecida, deixada de lado. Antes era possível visualizar a sua imagem honrada nas casas, nos comércios, nas escolas, nas entradas das cidades. Agora ela está abandonada. Nem em seu próprio santuário é honrada o suficiente. 
     O lugar que teria sido destinado a sua honra, tem sido objeto de flagelos ao seu Imaculado Coração. Vestes imodestas, Missas profanas e heréticas, "pastores" hereges proferindo sermões no Altar, um canal de televisão que deveria ser destinado a propagação da devoção a excelsa Mãe, tem sido destinado a utraja-la. Se esquecem do que ela pediu quando apareceu em Fátima: conversão, penitência, oração. Em troca disso, dão a ela: apostasia, relaxamento, blasfêmias.
    Ó excelsa Mãe de Deus, Maria Santíssima, que apareceu no lago do rio Paraíba a nós, que quis tomar os brasileiros como filhos, até quando suportará as ofensas que esses pecadores vos fazem? A terra de Santa Cruz está crucificando vosso Filho novamente. 
   Nós, como míseros filhos e meros escravos, pedimo-vos perdão em nome de todos os brasileiros. Perdão pelas indiferenças, pelas vestes imodestas, pelos pecados cometidos publicamente, pelas blasfêmias, ultrajes e sacrilégios. Pedimo-vos perdão pelas ofensas a vossa Imaculada Conceição, a vossa Maternal Divindade, a vossa Virgindade Perpétua. Tende misericórdia de nós e de todo o Brasil, livrai-nos do comunismo, do aborto, de toda apologia a pedofilia, homossexualismo e outros pecados da luxúria. Livrai-nos de leis iníquas e de maus governantes. Salvai nossas crianças e nossas famílias.

Consagração a Nossa Senhora da Conceição Aparecida



Ó Maria Imaculada, Senhora da Conceição Aparecida, aqui tendes, prostrado diante de vossa milagrosa imagem, o Brasil, que vem de novo consagrar-se à vossa maternal proteção. Escolhemo-vos por especial Padroeira e Advogada da nossa Pátria; queremos que ela seja inteiramente vossa: vossa é a sua natureza sem par; vossas são as suas riquezas; vossos, são os campos e as montanhas, os vales e os rios; vossa é a sociedade; vossos são os lares e seus habitantes, com seus corações e tudo o que eles têm e possuem; vosso é, enfim, todo o Brasil.
Sim, ó Senhora Aparecida, o Brasil é vosso!
Por vossa intercessão temos recebido todos os bens das mãos de Deus, e todos os bens esperamos receber, ainda e sempre, por vossa intercessão.
Abençoai, pois, o Brasil que Vos ama; abençoai o Brasil que Vos agradece; abençoai, defendei, salvai o vosso Brasil!
Protegei a Santa Igreja; preservai a nossa Fé, defendei o Santo Padre; assisti os nossos Bispos; santificai o nosso Clero; socorrei as nossas famílias; amparai o nosso povo; esclarecei o nosso governo; guiai a nossa gente no caminho do Céu e da felicidade! Ó Senhora da Conceição Aparecida, lembrai-Vos de que nós somos e queremos ser vossos vassalos e súditos fiéis. Mas lembrai-vos também de que nós somos e queremos ser vossos filhos. Mostrai, pois, ante o Céu e a Terra, que sois a padroeira poderosa do Brasil e a Mãe querida de todo o povo brasileiro!
Sim, ó Rainha do Brasil, ó Mãe de todos os brasileiros, venha sempre mais a nós o vosso reino de amor e, por vossa mediação, venha a nossa Pátria o reino de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor Nosso. Amém.
A NOSSA SENHORA APARECIDA
Ó Senhora Aparecida, Mãe querida, tenho tanta confiança em Vós, que espero a vossa proteção e vosso amparo em todos os passos de minha vida e na hora da morte. Amém.

domingo, 8 de outubro de 2017

Fundação da Associação Nossa Senhora do Rosário de Lepanto - 07.10.17

Rejubilantes anunciamos que na data de ontem, a Capela São José deu um grande passo em sua história.

A Capela, nascida do sonho de católicos fiéis a Tradição, tem pouco mais de dois anos de existência.
Ontem, 07 de Outubro, dia de Nossa Senhora do Rosário, nós nos reunimos com intuito de fundarmos uma Associação em defesa da fé católica e em promoção ao Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Associação Nossa Senhora do Rosário de Lepanto tem como finalidade:

I. A propagação e defesa da fé católica tal como foi sempre crida e professada ao longo dos séculos, até o Concílio Vaticano II;
II. A crítica ao Concílio Vaticano II e ao magistério conciliar, bem como a todos os erros derivados do modernismo e liberalismo, tão bem condenados por Gregório XVI, Pio IX, Leão XIII, São Pio X, Bento XV, Pio XI e Pio XII;
III. A conservação dos ritos católicos anteriores a 1962;
IV. A promoção e defesa do Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo;
V. A promoção e defesa dos direitos e autonomia das famílias frente ao Estado, inclusive no que tange à educação domiciliar;
VI. A promoção e defesa da vida humana desde a concepção até a morte natural;
VII. A luta contra todas as revoluções e ideologias contrárias à fé católica;
VIII. O desenvolvimento de estudos, conferências, formações, seminários e congressos;

Posteriormente daremos mais informações a respeito da Associação, o que podemos adiantar, é que o que corre em suas veias, o que bombeia o seu coração, é a frase que Mons. Lefebvre certa vez disse e que Dom Tomás de Aquino nos repetiu "para nós Nosso Senhor é tudo."
O mundo colocou Nosso Senhor de escanteio. "Aqui não é necessário que o Senhor reine, aqui no Congresso, nas escolas, nas famílias... Não. Nosso Senhor não precisa reinar nas leis, nos costumes, na moral. Nosso Senhor pode ficar escondido. Tiremos o Altar das casas, coloquemos a Televisão. Nosso Senhor não é nosso Rei, temos outros reis. Outras prioridades, outras necessidades." 
Mas nós dizemos: "A nós não. A nós, Nosso Senhor é Tudo. Ele reina em nossas casas, em nossos pensamentos, em nossos estudos, em nossos corações. Ele é nossa prioridade. O Reinado Social dele é só o que importa, não nos importa massagear os egos dos homens. Queremos que Ele reine nas leis, nos costumes, na moral e em nossos corações. A nós, Ele é Tudo."

Como Ele é nosso Tudo, importa a profissão de fé pública e a devoção a sua Mãe, Maria Santíssima. Por esse motivo, também ontem nós ornamos um andor e o Altar, fizemos uma procissão, e Dom André rezou a Santa Missa.
Alguns fiéis fizeram a Consagração a Nossa Senhora segundo o método de São Luís de Monfort e outros fizeram a renovação dos votos.
Terminamos ainda os 5 Sábados recomendados por Nossa Senhora de Fátima, em Reparação ao seu Imaculado Coração.

Concluímos dizendo que o mundo liberal diz como Lúcifer: "não servirei", e nós, como filhos Daquela que esmaga a cabeça da serpente, dizemos: "Serviremos. Por mais fracos que sejamos, nós serviremos. Muitas vezes inconstantes, pecadores, miseráveis, mas serviremos. Seremos ridicularizados nas faculdades, nas escolas, em nossos trabalhos, mas serviremos. Nos perseguirão, nos odiarão, quererão nosso silêncio, mas nós serviremos. Estaremos só muitas vezes, haverá uma espada que dividirá nossos parentes e amigos, mas nós serviremos. Serviremos a Nosso Senhor Jesus Cristo, através da escravidão de amor a Maria Santíssima. Todos os dias de nossas vidas, para termos a recompensa de servir a Ele por toda a Eternidade."

Que viva Cristo Rei!
Que viva Nossa Senhora do Rosário de Lepanto!



  















sábado, 7 de outubro de 2017

Nossa Senhora do Rosário - 07 de Outubro

 Saltério de Maria 

 Desde quando São Domingos estabeleceu a devoção do Santo Rosário até ao tempo em que o Bem-aventurado Alano de la Roche o restabeleceu em 1460, ele foi chamado de O Saltério de JESUS e Maria. Isto é devido ao fato dele possuir o mesmo número de Saudações Angelicais (Ave Marias) como os 150 Salmos de Davi. Já que pessoas simples de educação formal não conseguem rezar os Salmos de Davi, o Rosário é considerado tão proveitoso a elas como o Saltério de Davi é para outros.
 Contudo o Rosário pode ser considerado até mais valioso que os Salmos por três razões;
 1- Primeiramente, porque o Saltério Angélico possui um fruto mais nobre, a saber, o Verbo Encarnado, a quem o Saltério Davídico somente o profetiza;
 2- Em segundo lugar, assim como a realidade é mais importante do que a prefiguração, e o corpo é mais importante que uma sombra, da mesma forma o Saltério de Nossa Senhora é mais grandioso que o Saltério de Davi que nada mais fez que prefigura-lo;
3- E em terceiro lugar, por ser o Saltério de Nossa Senhora (ou o Rosário composto de PAI Nossos e Ave Marias) é uma obra direta da SANTÍSSIMA TRINDADE e não foi feito através de um instrumento humano.

 O Saltério de Nossa Senhora ou o Rosário é divido em três partes de cinco dezenas cada, por três razões especiais:
 1ª - Honrar as três Pessoas da SANTÍSSIMA TRINDADE;
 2ª - Honrar a vida, morte e glória de JESUS CRISTO (e de Maria)
 3ª – Imitar a Igreja Triunfante, ajudar os membros da Igreja Militante e diminuir as dores da Igreja sofredora.
 4ª – Imitar os três grupos nos quais os Salmos são divididos:
 a) O primeiro sendo para a vida purgativa;
 b) O segundo para a vida iluminativa
 c) O terceiro para a vida unificativa
5ª – E, finalmente, nos dar graças em abundância durante nossa vida, paz na morte, e glória na eternidade.


A Coroa de Rosas

     Desde que o Bem-aventurado Alano de la Roche restabeleceu esta devoção, a voz povo que é a voz de DEUS, o chamou de O Rosário. A palavra rosário quer dizer “coroa de rosas”, vindo a ser: toda vez que o povo reza o Rosário de maneira devota eles colocam uma coroa de cento e cinquenta e três rosas vermelhas (cor de rosa) e dezesseis rosas brancas nas cabeças de JESUS e Maria. Por se tratarem de rosas celestiais, estas rosas nunca murcham, nem perdem sua fragrância e delicada beleza. Nossa Senhora mostrou sua total aprovação do nome de Rosário. Ela revelou a várias pessoas que cada vez que elas rezam uma Ave Maria, elas lhe dão uma linda rosa e que a cada Rosário completo uma coroa de rosas.
      O conhecido Jesuíta, Irmão Alfonso Rodriguez, tinha por costume rezar seu Rosário com tanto fervor que ele estava habituado a ver rosas brancas saírem de sua boca a cada PAI Nosso e uma rosa vermelha a cada Ave Maria. As rosas vermelhas e brancas são iguais beleza e fragrância, tendo por única diferença a cor. As crônicas de São Francisco nos dizem que um jovem frade tinha um costume louvável de rezar o Rosário de Nossa Senhora diariamente antes do jantar. Um dia, não se sabe porquê, deixou de rezar. O sino do refeitório já havia tocado quando ele pediu ao superior permissão para rezar antes de ir à mesa, e tendo obtido a permissão recolheu-se à sua cela para rezar. Após um longo tempo que se retirara, o Superior enviou outro frade para chamá-lo, e este o encontrou em ser quarto banhado por uma luz celestial a olhar Nossa Senhora que tinha dois Anjos consigo. Lindas rosar saíam de sua boca a cada Ave Maria; os Anjos as recolhiam uma a uma, colocando-as na cabeça de Nossa Senhora, e ela sorridente as aceitava. Finalmente, dois outros frades que foram enviados a fim de saber o que acontecia aos dois primeiros também puderam ver a mesma bela e admirável cena, e Nossa Senhora não se retirou até que o Rosário fosse rezado completamente. O Rosário completo é, pois, uma grande coroa de rosas e o Terço de cinco dezenas é uma pequena coroa de flores ou uma pequena coroa de rosas celestiais que colocamos nas cabeças de JESUS e Maria.
     A rosa é a rainha das flores, e o Rosário, depois da Santa Missa é a melhor das devoções


O Bem-aventurado Alano de La Roche disse:

“Quem te ama, ó excelsa Maria, leia isto e extasie-se: 
Quando eu rezo a Ave Maria, 
a corte celestial se regozija, 
a Terra se perde em admiração, 
eu esqueço o Mundo 
e meu coração transborda do amor de DEUS. 
Quando eu rezo a Ave Maria; 
todos os temores se dissipam 
e minhas paixões se apaziguam. 
Se eu rezo a Ave Maria; 
a devoção cresce dentro de mim 
e desperta a contrição pelo pecado.
Quando eu rezo a Ave Maria, 
a esperança fica forte em meu peito, 
e o frescor da consolação inunda minha alma mais e mais, 
porque eu rezo a Ave Maria. 
Meu espírito se regozija,
 a tristeza vai embora quando eu rezo a Ave Maria. 

Porque a doçura desta suavíssima saudação é tão grande que não há termos adequados para explicá-la devidamente e, depois de haver dito dela maravilhas, todavia ainda a achamos tão cheia de mistério e tão imensa que sua profundidade é impossível de ser compreendida. É curta em palavras, mas grande em mistérios. É mais doce que o mel e mais preciosa que o ouro. Devemos tê-la frequentemente no coração para meditá-la e na boca para rezá-la devotamente.”


A Ave Maria – Breve Explicação 


Você está num estado miserável do pecado? Pois então chame a Maria1 e diga-lhe: Ave! Que vem a ser “Eu vos saúdo com o mais profundo respeito, pois vós sois sem pecado” e ela livrá-lo-á do mal de seus pecados. ”...a palavra divino pode ser usada sem atribuir a ela a natureza da divindade da pessoa ou coisas assim classificada. Falamos de nossas próprias orações, ora dirigidas a DEUS ou aos Seus santos, como um serviço divino. O Salmista fala de todos nós como deuses e filhos do Altíssimo; e ninguém fica ofendido por tal expressão, porque o sentido dado às palavras pronunciadas é compreensível. Maria pode ser chamada divina por ter sido divinamente escolhida para o ofício de Mãe” de uma Pessoa divina, JESUS CRISTO (Cardeal Vaughan, prefácio às “Verdadeira Devoções à Santíssima Virgem Maria” escrito por São Luiz de Montfort).
Você está envolto na escuridão da ignorância e do erro? Vá a Maria e diga-lhe: Ave Maria” Que vem a ser “Iluminada com os raios do sol da justiça” – e ela lhe dará um pouco de sua luz.
Caminha extraviado, fora do caminho que leva aos Céus? Pois então, chame a Maria, porque seu nome significa “Estrela do Mar, Estrela Polar que os navios de nossas almas durante a jornada desta vida,” e ela lhe guiará ao porto da salvação eterna.
Você esta triste? Recorra à Maria, pois seu nome significa também “Mar de amarguras que a encheu com cortante dor neste Mundo, mas com a qual tornou-se em mar da mais pura alegria no Céu” e ela transformará sua tristeza em alegria e sua aflição em paz.
Você perdeu o estado de graça? Louve e honre as inumeráveis graças com que DEUS encheu a Virgem Maria, e diga-lhe “Sois cheia de graça e cheia dos dons do ESPÍRITO SANTO” e ela lhe dará algumas destas graças. Se sente só, tendo perdido a proteção de DEUS; Reze a Maria, diga-lhe: “O SENHOR é convosco,” e esta nobilíssima e mais íntima que aquela que Ele tem com os santos e os justos, pois vós sois uma com Ele. Sendo Ele vosso FILHO e Carne de Sua Carne; estais unida ao SENHOR por causa da perfeita semelhança com ELE e pelo vosso amor mútuo, por serdes Sua Mãe. E depois diga a ela: “A SANTÍSSIMA TRINDADE é convosco porque vós sois o Seu Tempo”, e ela lhe colocará mais uma vez debaixo da proteção e cuidado do DEUS Todo-Poderoso.
Você se tornou um foragido e tem sentido a justiça de DEUS pesar? Então diga a Nossa Senhora: “Bendita sois vós entre todas as mulheres e sobre todas as nações, por vossa pureza e fertilidade; tornastes as maldições divinas em bênçãos para nós,” e ela o abençoará.
Sente fome pelo pão da graça e pão da vida? Ajoelhe-se próximo a ela que deu a vida ao Pão Vivo que desceu do Céu, e diga a ela: “Bendito É o fruto de vosso ventre que concebestes sem a mínima perda de vossa virgindade, que carregastes sem desconforto Aquele a quem destes à luz sem dor. Bendito seja JESUS que redimiu nosso Mundo sofredor enquanto estávamos presos às cadeias do pecado, que curou o Mundo de sua doença, que tem ressuscitado os mortos para a vida, que trouxe para casa o que lhe fora banido, salvou os homens da condenação.” Sem dúvida sua alma estará cheia do pão da graça nesta vida e de glória eterna na próxima. Amém.

Então, ao fim de sua oração, reze assim como a Santa Madre Igreja:
“Santa Maria Santa de corpo e alma,
Santa por causa de vossa incomparável abnegação no serviço de DEUS.
Santa em vossa nobreza exuberante de Mãe de Deus, q
ue O contemplastes com perfeita santidade,
da mais alta dignidade.
 Mãe de Deus e nossa Mãe,
Transbordante das graças de DEUS,
de Quem sois a tesoureira, e que as dispensais para nós.
Obtende para nós, sem demora,
o perdão de nossos pecados,
e dai-nos a graça de sermos reconciliados,
com a infinita Majestade de DEUS.
Rogai por nós pecadores,
Vós que sempre sois cheia de compaixão pelos necessitados.
Que nunca desprezais os pecadores,
volvei a eles, pois sem eles nunca seríeis a Mãe do REDENTOR
Rogai por nós agora,
durante esta vida curta,
 tão cheia de tristeza,
de sofrimento e incertezas.
Rogai por nós agora,
Agora, porque não temos certeza de nada,
a não ser o momento presente.
Rogai por nós agora,
porque estamos sendo atacados dia e noite por poderosos e cruéis inimigos...
Rogai por nós agora e na hora da nossa morte,
tão terrível e cheia de perigos, quando nossas forças se esgotam e nossos espíritos desfalecem-se e nossos corpos estão exaustos com medo e pena.
 Rogai por nós então, na hora da nossa morte, quando satanás esta trabalhando,
com forças redobradas,
para nos seduzir e nos lançar à perdição.
Rogai por nós na hora da decisão,
quando a morte lançará de uma vez por todas o nosso destino eterno,
será o Céu, (o Purgatório) ou o Inferno.
Venha em auxílio de vossos pobre filhos,
Terna Mãe de piedade.
Advogada e Refúgio dos pecadores,
proteja-nos na hora da nossa morte.
Expulsa para longe de nós Nossos terríveis inimigos,
os demônios acusadores,
que com suas horrorosas presenças enche-nos de pavor.
Ilumina nossos passos no vale das sombras da morte.
Oh Mãe, leva-nos ao trono de julgamento de vosso
FILHO e não nos abandone lá.
Interceda por nós e peça ao vosso FILHO que me perdoe.
Aceitai-nos no número dos abençoados escolhidos no Reino da Eterna glória. Amém – Assim seja”

O Segredo do Rosário - São Luis Maria Grignon de Monfort

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Sobre a Confissão Geral

D. — Padre, uma última pergunta. O quê é a Confissão geral?
M.  Chama-se confissão geral a revisão de todas as culpas cometidas durante a vida, ou em grande parte dela.

D. — E a confissão geral é necessária?
M.  Para muitos pode ser necessária; para outros é somente útil, enquanto que para alguns é nociva.

D. — Em que caso é necessária?
M.  É necessária quando as confissões precedentes foram sacrílegas ou então nulas.

D. — E quando é que as confissões são sacrílegas? e quando são nulas?
M.  As confissões são sacrílegas quando se calaram propositadamente culpas graves, sabendo que tinha obrigação de confessá-las; ou então quando não sentimos a dor necessária ou não fizemos o propósito de evitar o pecado no futuro. São nulas, quando o penitente ignorava essa falta de dor e de propósito.

D. — Então, quais são os que têm necessidade de uma confissão geral?
M.  Tem necessidade absoluta de fazer uma confissão geral, quem, seja por malícia, seja por vergonha, calou ou negou nas confissões precedentes algum pecado mortal ou então alguma circunstância que muda a espécie do pecado; ou não indicou com precisão o número dos pecados mortais que conhecia bem; ou exprimiu suas culpas ao confessor de tal modo que ele não as compreendeu; ou então o enganou com mentiras graves quando respondeu às suas perguntas.

D. — Tenha a bondade de me explicar tudo com exemplos.
M.  Suponhamos que um coitado tenha escondido, desde as primeiras vezes que se confessou certos pecados por vergonha de os expor. Mesmo que, em seguida, tenha manifestado sempre todas as outras culpas, todavia, por não ter corrigido as primeiras confissões más, nenhuma das seguintes é considerada bem feita. Essa pessoa tem portanto absoluta necessidade de repará-las todas com uma confissão geral, na qual deve acusar também todos os sacrilégios cometidos.

Suponhamos que uma outra pessoa tenha cometido certos pecados de más obras, e que, ao acusá-los tenha somente dito que teve maus pensamentos. Essa também se confessou mal e precisa de uma confissão geral.

Suponhamos ainda que outro indivíduo tenha tido não só a infelicidade de pecar sozinho, mas com outra pessoa. Se ele, ao confessar-se, calou propositalmente essa circunstância e não indicou as condições particulares de tal pessoa, fez também uma má confissão e o seu dever é fazer uma confissão geral.

Suponhamos finalmente que alguém tenha o hábito de cometer quatro ou cinco pecados graves por semana ou por mês, e, em lugar de quatro ou cinco diga só dois ou três, ou três ou quatro, sabendo perfeitamente que está mentindo. Ter-se-á sempre confessado mal e nesse caso, deve fazer uma confissão geral.

D. — Misericórdia!
M. — Em segundo lugar, a confissão geral é de estrita necessidade para quem se confessou sem pesar e sem propósito, como ficou dito acima, ou para quem não cumpriu as obrigações impostas pelo confessor ou seja: não evitou a ocasião próxima e voluntária do pecado, ou não deixou certa amizade perniciosa ou não queimou, não se desfez dos maus livros, não cortou certa relação; em suma todos os que se acham em condições análogas. Todos esses, tendo faltado, quem mais, quem menos, às qualidades substanciais da confissão, devem por a consciência em ordem e tranqüilizá-la com uma boa confissão.

D. — Padre, o número desses indivíduos é diminuto ou elevado?
M. — Antes fossem poucos os que pertencem a essas diversas classes! Mas, infelizmente, a experiência quotidiana demonstra que o número deles é muito maior do que parece, mesmo entre pessoas aparentemente boas.

Na biografia de S. Inês da Montepulciano lê-se que uns senhor muito rico, tido como bom cristão, sendo muito devoto da santa e do seu convento, a socorria com freqüentes e generosas esmolas. A santa rezava muito pelo seu benfeitor em troca do seu auxílio. Um dia, estando ela rezando, perdeu os sentidos e, no êxtase, viu no meio do inferno um palácio de fogo e ouviu uma voz que dizia: Inês, Inês, este é o palácio do teu benfeitor e ele virá habitá­lo quanto antes.

Voltando a si, Inês apreensiva mandou logo pedir ao senhor que fosse ter com ela e lhe contou a visão espantosa que tivera.
O homem empalideceu, e, quase desmaiando, declarou sinceramente que havia trinta anos que não se confessava bem, estando sempre na ocasião próxima de pecado.
A santa aromou-o então a fazer logo uma boa confissão geral.
Ele obedeceu e Inês teve outra visão: viu o mesmo palácio, agora no Paraíso, e a mesma voz declarou-lhe que o seu benfeitor subiria logo para habitá-lo. Pois bem, quem tiver medo de ter o seu palácio ou a sua casa no inferno por causa de confissões mal feitas, já sabe o que fazer para se livrar.

D. — Padre, se alguém tiver deixado de contar alguns pecados nas confissões passadas, ou por ignorância, ou por esquecimento, e vier a conhecê-los ou a se lembrar deles mais tarde, é obrigado a referir todas as confissões passadas numa confissão geral?
M.  Não; quando deixamos de contar os pecados por ignorância ou esquecimento, só temos obrigação de reparar essas omissões parciais. Para sermos obrigados a uma confissão geral é preciso que se trate de sacramentos mal recebidos, de sacrilégios cometidos consciente e propositadamente.

D. — E quando duvidamos se somos ou não obrigados a uma confissão geral, como devemos proceder?
M. — Nos casos de dúvida devemos expor as nossas dificuldades ao confessor e nos conformar ao seu parecer.

D. — Obrigado, Padre; e agora, diga-me: quanto é que a confissão geral é útil?
M. — É útil:
1) Para quem duvida das confissões passadas e tem necessidade de se por em paz.
2) É útil para todos os que nunca a fizeram, porque ela faz brotar em nossos corações maior contrição dos pecados e consolida o propósito firme e eficaz de não mais os cometer.
3) É também bastante útil para os que, chegados a um ponto decisivo de suas vidas, devem escolher ou abraçar um estado do qual depende o seu futuro. Poderão receber do Confessor, que faz às vezes de Deus, melhores esclarecimentos e conselhos, para fazerem sua escolha com mais segurança.

D. — Por exemplo: os noivos nas proximidades do casamento?
M.  Justamente! A confissão geral é também bastante útil para eles, seja para os dispor melhor a bem receber o sacramento que os deve ligar para toda a vida, seja para lhes proporcionar a ocasião de receber os esclarecimentos e os conselhos indispensáveis para bem se governarem em tal estado. O matrimônio é grande Sacramento: ai de quem o receber indignamente! Deus nunca abençoará um matrimônio em que houver pecado.

D. — Quando é Padre, que no matrimônio pode haver pecado?
M. — 1) Quando prolongam demais o tempo do noivado.
2) Quando permitem certas liberdades nas conversas, e no trato.
3) Quando, estando em pecado, deixam de freqüentar a confissão ou se confessam mal.

D. — É então necessário, nessa confissão geral, dizer que estamos para nos casar e pedir conselhos sobre isso?
M.  Sem dúvida. Se não o manifestarem, como pode o Confessor esclarecê-los?

D. — Padre, qual é a época mais propícia para uma confissão geral?
M. — Tratando-se somente de utilidade ou devoção, a época mais propícia é a dos Exercícios Espirituais, e justamente lá pelo fim dos mesmos. Mas, sendo ela necessária para recuperarmos a graça, façamo-la o mais breve possível; não deixes para amanhã o que hoje podes fazer, diz o provérbio.

D. — É bom escrever os pecados para se lembrar deles melhor?
M.  Geralmente, não. Se alguém precisar mesmo recorrer a esse método, que o faça com muita cautela e destrua logo o escrito depois da confissão, de modo que ninguém o possa ler, nem o próprio penitente.

Entre os muitos episódios da vida de S. João Basco destaca-se este:
Um bom rapaz, desejando fazer uma confissão geral com a maior precisão possível, tinha enchido uma caderneta com seus pecados, mas, ninguém sabe como, perdeu o pequeno volume onde anotara os seus pouco gloriosos feitos. Virou e revirou os bolsos, procurou por todos os cantos, mas nada de encontrar o manuscrito. Á vista disso, o pobre rapaz ficou desgostoso e desatou em copioso pranto.

Por sorte, o caderninho tinha ido parar ás mãos de D. Bosco. Este, quando o viu chegar todo choroso conduzido pelos companheiros, recusando-se contar a razão de tanta tristeza, começou a interrogá-lo.
— O que tens meu caro Tiago? Sentes alguma dor? Desgostos? Alguém te bateu? O bom rapaz enxugando as lágrimas, e tomando um pouco de coragem, respondeu:
— Eu perdi os pecados!
A essas palavras os amigos caíram na gargalhada e D. Bosco, que tinha logo compreendido, ajuntou brejeiramente:
 És bem feliz se perdeste os pecados e felicíssimo por não os achares mais, porque, sem pecados, irás certamente para o céu. Mas Tiago, pensando que não tinha sido compreendido, acrescentou:
— Eu perdi o caderno onde os tinha escrito!

Bosco então tirou do bolso os grandes segredos e disse:
— Sossega, meu caro, que os teus pecados caíram em boas mãos: ei-los aqui!
— Vendo isso, o rosto do coitado tornou-se sereno e foi com um sorriso que ele concluiu:
— Se eu soubesse que o senhor os tinha achado, teria rido em lugar de chorar; e hoje, ao chegar para a confissão, eu lhe teria dito:
— Padre, eu me acuso de todos os pecados que o senhor achou e tem no bolso.

D. — Os episódios e as cenas da vida desse grande educador e humilíssimo Santo são sempre muito espirituosos. E finalmente, Padre, para quem é que confissão geral pode ser nociva?
M.  Pode ser nociva principalmente para as almas escrupulosas, cheias de ansiedades e temores vãos; para as que, tendo-a feito outras vezes, não sossegam e querem sempre tornar a repetir o que já foi dito.

Para esses indivíduos, a confissão geral não produz outro efeito senão o de suscitar uma confusão de maiores escrúpulos e ansiedades. Obedeçam eles ao Confessor, e quando ele diz e repete que fiquem sossegados... Que não pensem mais naquilo... Que ele próprio responde a Deus pelo estado de suas almas, para que duvidar?
O Confessor vê e julga melhor do que eles, e podem ficar convencidos de que, obedecendo ao Confessor, estarão obedecendo ao próprio Deus.

D. — Nesse caso, quando o Confessor não permite a confissão geral, deve ser obedecido?
M. — Certamente! Quando ele proíbe a confissão, geral, ele está exercendo os seus plenos direitos e o dever do penitente é obedecer. Só com essa condição chegaremos pouco a pouco a gozar da tranqüilidade tão ardentemente desejada. Querer encontrar paz por outros meios é o mesmo que procurar uvas entre espinhos.Você viu em resumo qual a importância da Confissão geral.

Depois disso, não há de que nos admirarmos se ela foi tão recomendada pelos Santos; como Santo Inácio, São Carlos Borromeu, São Francisco de Sales Santo Tomás de Aquino os mais célebres pela prática e pela doutrina. Tenham pois coragem, não se deixem enganar pelo demônio, e, em caso de necessidade disponham-se a uma boa confissão geral.
E que o pensamento de que, por meio dela, poderemos de certo modo reconquistar a inocência batismal nos sirva de estímulo.

Na história da vida dos Santos Monges do deserto lê-se que um rapaz, grande pecador, chegou ao convento para se tornar religioso. O primeiro ato do Superior foi impor­lhe uma confissão geral a ser feita no domingo seguinte na igreja do convento. Para esse fim, o jovem preparou-se e escreveu todos os pecados para poder lembrar-se deles e confessá-los melhor.

Pois bem, à medida que ele lia e confessava as suas culpas, um monge dos mais velhos e santos via um anjo que as cancelava de um catálogo que trazia nas mãos. Por fim, ficou a folha inteiramente branca, para representar a candura que a alma do jovem atingira.

Cesário, bispo de Arles, conta um fato parecido que se deu com um estudante de Paris.
Tinha sido grande pecador mas, querendo a todo o custa converter-se, foi fazer uma confissão geral com um Confessor da ordem Cisterciense.

O rapaz derramava tantas lágrimas que não podia nem falar: à vista disso, o Confessor aconselhou-o a escrever os pecados numa folha de papel. Ele o fez de boa vontade.
Mas, quando o Padre se dispôs a lê-los, se viu diante de casos tão enormes e complicados, que não teve bastante confiança em si para resolvê-los: pediu licença ao penitente e foi consultar o Superior.

Mas, ao abrir a folha para ler, o Abade exclamou:
— O quê é que tenho que ler, se aqui não há nada escrito?
De fato, Deus tinha miraculosamente cancelado daquele papel todos os pecados do rapaz, como já os tinha cancelado da sua alma.
Mas que necessidade temos nós de procurar os exemplos dos Santos, quando o próprio Jesus Cristo nos diz e nos demonstra que a confissão geral torna realmente a dar a inocência batismal?

Além do que contei sobre Margarida de Cortona, no capítulo dos efeitos admiráveis da Confissão, podemos falar ainda de Santa Margarida Alacoque.

Enquanto a Santa estava fazendo os Exercícios Espirituais, Jesus lhe apareceu e lhe disse:
— Margarida, desejo que renoves a confissão geral de toda a tua vida. Faze-o eu trazer-te-ei uma veste alvíssima.

Margarida põe-se à obra para ser agradável a Jesus e, depois de um exame diligente faz a sua confissão geral. Assim que terminou, Jesus apareceu novamente, tendo nas mãos uma túnica muito alva, com a qual a cobriu, dizendo:

— Eis aqui, Margarida, a veste que eu prometi.

Era da inocência batismal que Ele a revestia.
Oh! bendita seja a confissão que produz em nossa alma efeitos tão maravilhosos, que tanto a purifica e a torna novamente bela, como se tivesse acabado de sair das águas do Santo Batismo!

D. — Agradecido, Padre, compreendi perfeitamente; sou-lhe grato pelo que me disse e não o esquecerei.
continua...

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

02 de Outubro - Dia dos Santos Anjos da Guarda

02 de Outubro dia dos Santos Anjos da Guarda


"Se vocês encontrarem-­se em algum perigo de alma e de corpo, invoquem o Anjo da Guarda e eu tenho certeza   que eles os assistirá e livrará."
São João Bosco

     Número e poder dos anjos

    Conforme a doutrina dos santos e doutores da Igreja, cada homem, ao nascer, recebe um Anjo para guarda seu e seu protetor particular.
     Igualmente tem seu Anjo da Guarda cada nação, tem-no igualmente cada província, cada cidade, cada casa, cada família, cada comunidade, cada templo, cada altar. "Serviam a Deus milhares de milhares", diz o profeta Daniel.
     De forma que contamos com a proteção não somente do nosso Anjo particular, mas também com a daqueles que presidem as comunidades de que somos membros.
    É exatamente por este motivo que diz a Escritura: "aos seus Anjos Deus ordenou que te guardassem etc."
     Diz "aos seus Anjos" no plural, porque, como explica S. Roberto Belarmino, protege-nos não somente o nosso Anjo da Guarda, mas também os anjos protetores da nossa pátria, da nossa província, da nossa cidade, etc.
    São, portanto, inumerável multidão os Anjos deputados para a guarda dos homens.
    E se a este ainda ajuntarmos os que assistem constantemente perante o trono de Deus e se a estes ainda somarmos então aqueles que Deus envia a terra em missões especiais ou que pendem do seu mandado para cumprir cada uma de suas ordens?
     Então atingirão o incalculável. Foi indicando esse sem número que o profeta Daniel exclamou: "milhares de milhares o serviam e mil milhões junto a Ele assistiam". (Dan. VII, 10)
     Número portentoso, na verdade, que no dizer do autor do livro sobre a Celeste Hierarquia, excede todos os cálculos e cómputos humanos.
     Quem pode calcular o número das estrelas do céu e de todos os seres materiais que povoam o universo: homens, animais, plantas,insetos peixes, etc.? Pois bem, "a multidão dos Anjos, diz S. Tomás de Aquino, é ainda superior a multidão dos seres materiais".
     Tal é o número dos anjos. Quanto ao seu poder, exalta-o a Escritura a cada apsso. "Bendizei o Senhor, diz o real Profeta, todos os seus Anjos, poderosos em valor, fiéis executores de sua palavra (Es. C I 20). E numerosos são os exemplos em que tal poder resplandece, como se pode ver na segunda parte desta obrazinha.
     Mas, além disto, patenteia-se bem o seu poder no mesmo poder daqueles que muitas vezes eram instrumentos seus - os santos. Causa espanto, na vida dos santos, o ódio com que se armava os demônios contra eles, e as infernais coligações que entre si faziam para perdê-los e arruinar a sua obra. Vemo-los, entretanto, impassíveis ante os assaltos dos espíritos das trevas e tão poderosos que um instante lhe bastava para dispersar e pôr em fuga os exércitos da infernal nesquicia.
     Quem era, pois, que lhes incutia tão grande valor? Os Anjos de Deus, e cuja proteção sempre recorriam aos santos. "Não poderia a nossa fraqueza, como diz S. Hilário, resistir à perversa ação dos espíritos infernais se não fosse confortada pelo poder dos Anjos." "E fora sem dúvida, diz S. Bernardo, que não podemos resistir ao ímpeto dos espíritos malignos, se de nós se afastam os bons espíritos"
     É força pois, confessar, que são poderosíssimos os Anjos, pois vencem a tão poderosos inimigos quais os demônios.
     E é força, também, confessar, que onipotente é Aquele Senhor a que obedece tão grande multidão de príncipes celestiais, e cujo mandado pronta e fielmente executam. "Na verdade não há quem seja semelhante a ti, ó Senhor; tu és grande, e grande e poder é o teu nome." (Jer. X 6)



Os Santos Anjos da Guarda - Pe Augusto Ferreti, S.J. 

sábado, 23 de setembro de 2017

Quinto dia da primeira semana (conhecimento de si mesmo) - Nossa impossibilidade na vida sobrenatural


QUINTO DIA


Meditação - Nossa impossibilidade na vida sobrenatural

PREPARAÇÃO

     O conhecimento necessário de nós mesmos nos deve levar a consider mais especialmenle quão indigentes somos na ordem sobrenatural. Nossa elevação pela graça é inteiramente gratuita. Aqui, nada absolutamenie podemos, sem a graça que previne e que acompanha as nossas ações Impossível a perseverança sem graças especiais. Nossa indigência absoluta comensura-se, porém, com a etusão larguíssima da Bondade Divina, mercê da Mediação de Maria.


MEDITAÇÃO

Prelúdios
- Maria repete-nos as palavras de Jesus, apontando-nos seu Filho Divino: Sem Mim, nada podeis fazer.
• Divina Jardineira, como a plantas enfezadas e raquíticas, enxertai- nos na vida pujante da Graça de Jesus Cristo.

PONTO I
NOSSA ELEVAÇÃO PELA GRAÇA
É INTEIRAMENTE GRATUITA

     Se na ordem natural pode o homem fazer alguma coisa, algum bem, alguns atos de virtude, morais, na ordem sobrenatural sua incapacidade é total e absoluta. Sobrenatural é o que ultrapassa pura e simplesmente a ordem criada, de tal sorte que para essa elevação não temos direito nem disposição alguma, senão somente uma capacidade obediencial, o que quer dizer, a possibilidade de sermos elevados acima de nossa natureza pela onipotência de Deus. Essa elevação não é apenas à natureza tão alta dos anjos, mas à própria essência de Deus, de que participamos realmente, na medida dos limites de nosso ser finito.
A graça habitual assim nos elevou, de maneira estável. Mas temos ainda necessidade das graças atuais, para agir sobrenaturalmente: Nem o Santo Nome de Jesus podemos pronunciar meritoriamente sem o Espírito Santo, Isto é sem o auxílio atual da graça. Mas todas essas graças são inteiramente gratuitas, não devidas a nossa natureza, provindas tão só da livre vontade de Deus.
Como é total a nossa incapacidade, na ordem sobrenatural!


II PONTO
NECESSIDADE da GRAÇA QUE ANTECEDE
E ACOMPANHA AS NOSSAS AÇÕES

“O mais bem conformado olhar, diz Santo Agostinho, nada pode ver sem auxílio da Luz. O homem ainda o mais santo, nada pode fazer na ordem sobrenatural sem o socorro Divino da eterna luz da graça”.
Graça antecedente, primeiro. É Deus quem move a nossa alma no ato virtude. Nós o queremos também. Deus respeita a nossa livre eleição: eu quero, mas Deus quer comigo e mais do que eu. Minha cooperação aceita o impulso Divino e o torna eficaz. Mas, a parte misteriosa que teve o mesmo Deus na minha própria livre eleição?
Graça concomitante, depois. Movida pela graça, minha alma não poderá continuar um alo sobrenatural se a mesma graça se retira. Nada sem Mim, disse Jesus, vós podereis fazer. Nada. Nem a continuação de uma ação começada pela graça... Porque é Deus quem em mim começou o livre querer e Ele é ainda quem o leva ao fim; Ê Deus quem opera, em mim, o querer e o agir (Fl 2,13).
A que ponto somos dependentes de Deus, em tudo quanto anelamos fazer para o céu!


III PONTO
NECESSIDADE DE GRAÇA ESPECIAL
PARA A PERSEVERANÇA

Não posso pretender ao menos a perseverança no bem sobrenatural sem mais auxílio da Graça de Deus? Não. Assim diz o Concilio de Trento; Seja anátema quem disser que uma vez justificados podemos perseverar na justiça recebida, sem especial socorro de Deus (sess 6, can 22). Como esta afirmação de nossa fé nos atira humilhados aos pés de Deus! Não se trata de progredir, subir mais. Apenas de ficar no estado de justiça que recebemos... Não. Por nós, não o poderemos. Nem basta graça ordinária e preciso auxílio especial.
Graça especial que Jesus Cristo quer dar-me, mas que espera que eu Lhe peça, com humilde confiança. Graça especial, que será para mim de inestimável preço, sobretudo quando se trata de perseverança final, que absolutamente não posso merecer por justiça...
E agora, buscarei libertar-me de meu orgulho, de minha suficiência presunçosa, tola e soberba. Gravarei fundo em minha mente a força terrível desta palavra  nada. Nada posso sem Deus. Mas Deus resiste aos soberbos,  concede sua graça preciosa somente aos humildes de coração.

COLÓQUIO

     Virgem cheia de graça, cuja união com a fonte da Graça, Jesus, vos fo penhor inefável de confirmação na amizade Divina e na altíssima elevação vossa aos confins da Divindade. • em vós saúdo, entretanto, a humílima dentre todas as criaturas... como vos ocultastes sempre, de todos os olharas dos vossos próprios, a fim de permanecerdes escondida a todos e conhecioá somente de Deus! Dai-me que participe de vossa humildade e amor ao escondimento, para que, despido de minha soberba, veja também Deus que se inclina amorosamente para mim a elevar-me à graça, à perfeição e a santidade. Porque as riquezas divinas somente descerão a meu coração, quando eu não for mais ladrão da glória de Deus e tudo souber atribuir exclusivamente ao Pai Celeste.


RAMILHETE

A profunda humildade é condição necessária para as grandes realidades da graça de Deus. “Porque olhou para a humildade de sua serva, fez em mim grandes coisas" (Lc 1, 48).

SANTO EVANGELHO (Mt 25. 14-30)
A PARÁBOLA DOS TALENTOS

     O Reino dos céus será como um homem que, ao se ausentar para longe, chamou seus servos e lhes entregou os seus bens. E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade e partiu logo. O que recebera cinco talentos, saiu e entrou a negociar com eles, e ganhou outros cinco. Da mesma sorte também o que recebera dois, ganhou mais dois. Mas o que havia recebido um, saindo, cavou a terra, e escondeu o dinheiro do seu Senhor. E passando muito tempo, veio o Senhor daqueles senros, e os chamou às contas. E chegando-se a ele o que havia recebido cinco talentos, apresentou- lhe outros cinco, dizendo: Senhor, tu me entregaste cinco talentos; aqui tens outros cinco a mais que lucrei. Disse-lhe seu Senhor: Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel nas coisas pequenas, dar-te-ei a gerência das grandes. Entra no gozo do teu Senhor. Da mesma sorte apresentou-se também o quehavia recebido dois talentos e disse: Senhor, tu me  entregaste dois talentos; eis aqui outros dois que lucrei com eles. Seu amo lhe disse: Bem está, senro bom e fiei; já que foste fiel nas coisas pequenas, dar-te-ei a gerência das grandes. Entra no gozo do teu Senhor. E chegando também o que havia recebido um talento, disse: Senhor, sei que és um homem de dura condição; ceifas onde não semeaste, e ajuntas o que não espalhaste. E por temor fui e escondi o teu talento na terra. Eis, aqui está o que é teu. E respondendo o Senhor lhe disse: Servo mau e preguiçoso! Sabias que eu ceifo onde não semeio, e que recolho onde tenho espalhado. Devias, portanto, dar o meu dinheiro aos banqueiros, e tinha volta, feria recebido certamente, com juros, o que era meu. Tirai-lhe, talento, e dai-o ao que tem dez talentos; porque a todo o que já tem, dar-lhe-ã. e terá em abundância: e ao que não tem, tirar-se-lhe-à até o que o possuir. E ao sendo inútil, lançai-o nas trevas exteriores onde haverá choro e ranger de dentes.


IMITAÇÃO DE CRISTO (L III. c. 14)
A PROFUNDEZA DO NOSSO NADA

FIEL - Vossos juízos. Senhor, me aterram como um espantoso trovão, estremecendo todos os meus ossos penetrados de temor e de tremor, e fico espavorido sem tino nem acordo.
Assim atônito considero "que os mesmos céus não são puros aos vossos olhos” (Jó 15,15).
“Se até nos anjos achastes maldade, e os castigastes sem misericórdia, que será de mim. sendo o que sou?" (Jó 4,18)
“Caíram do céu as estrelas; e eu, que sou pó, que devo esperar?" (Apc
6.13)
Precipitaram-se em profunda miséria, homens, cujas obras pareciam dignas de louvor; e aos que comiam o pão dos anjos ví deleitar-se com o manjar de animais imundos.
Não há pois santidade, Senhor, que durar possa, se a vossa mão soberana a não sustenta.
Nenhuma Sabedoria será discreta, se a vossa luz a não governa.
Não há fortaleza que ajude, se por vós não for sustentada.
Nenhuma castidade está segura, se vós a não defenderdes.
Enfim nenhuma cautela pode salvar a nossa alma, se nos falta vossa santa vigilância.
Deixados a nós mesmos, para logo nos afundamos e perecemos: visitados, porém, por vós, levantamo-nos animosos e vivemos. Inconstantes somos, mas vós nos dais firmeza; fazemo-nos tíbios, mas vós nos afervorais.
Oh! Oue baixos sentimentos não devo ter de mim mesmo! E em quão pouco devo estimar o pouco bem que em mim pode haver!
Ó Senhor! Quão profundamente me devo abismará vista de vossos juízos, onde acho que outra coisa não sou senão nada e menos que nada.
Ó peso imenso que me oprimes! Ó mar sem fundo nem margens onde nada acho de mim, senão nada em tudo!
Onde se ocultará pois em mim esta raiz de vaidade, esta confiança presunçosa no pouco bem que obro?
Toda esta vaidade se abisma na profundeza de vossos juízos sobre mim.
Que é o homem em vossa presença? “Pode porventura levantar-se obarro contra quem o formou?” (Is 29,16).
Como poderá enfatuar-se com louvores vãos aquele cujo coração verdadeiramente sujeito a Deus?
O mundo inteiro é incapaz de ensoberbecer aquele a quem a verq traz sujeito a seu império; nem se deixará nunca deslumbrar pelos apiaus ^ dos homens, aquele que em Deus pôs toda a sua esperança.
Porque os louvores nada valem; desaparecerão com o som de sua palavras; porém "a verdade do Senhor permanece para sempre" (SI 116 2)

LEITURA (Cfr. Perez, Vida Mariana, pàg. 189 ss)
COMPARAÇÃO ENTRE MARIA E NÓS
AVE-MARIA CHEIA DE GRAÇA

A Santíssima Virgem estava e estará sempre cheia de graça santificante, mais do que todos os anjos e santos. E plena de todas as graças atuais, pois que seu entendimento sempre se iluminava com a Divina luz e sua vontade era movida sempre a virtudes heróicas.
E eu, estive cheio de pecados, e pleno sempre de chagas hediondas que eles em mim deixaram. Cheio de afetos desordenados, de trevas no entendimento, de entorpecimento na vontade. Talvez exposto a novas e maiores quedas, tanto mais próximo delas quanto mais afastado me faz crer minha soberba.

O SENHOR É CONVOSCO

Esteve o Senhor com sua Mãe, mais do que com nenhuma criatura, já presente em suas puríssimas entranhas, já unido a sua alma mercê de uma contemplação altíssima que Nossa Senhora, ao que parece, nem no sono interrompia.
E eu, quando me afastei de Deus, com meus pecados, e como me expus a ficar eternamente Dele separado! E ainda agora, quão escassamente desfruto de sua Divina presença! Embora, segundo espero, por sua imensa bondade esteja agora presente em mim este Divino Sol, todavia, as nuvens que dentro de mim levantam minhas paixões não mo permitam ver.

BENDITA SOIS ENTRE AS MULHERES
De quantos dons de Deus, de quantas bênçãos está plena a Santíssima Virgem e como soube delas, aproveitar-se!
E eu, quão pobre ando de bens sobrenaturais, e quão mal sei aproveitar os que possuo! Desventurado entre os homens, como Ela foi bendita entre as mulheres. Talvez os mais desventurados e pecadores seriam melhores do que eu, se recebessem os dons que me couberam, embora não tenha o hor me concedido quantos Ele desejara porque se vê tão mal respondido... Que seria deste servo inútil, que enterra seu pequenino ^°ento, se lhe não valesse a intercessão de Maria

Bendito É o fruto do vosso ventre, JESUS

Que ditoso Fruto nos deu a Virgem Maria, fruto de salvação e de vida para todo o mundo!
E eu, que pouco fruto hei obtido, para a glória Divina e para o bem de meus irmãos! Que estéreis são meus trabalhos, por falta de alento sobrenatural que os vivifique!
Visto, pois, que a comparação com a formosura e riqueza de Nossa Senhora faz ressaltar mais e mais minha miséria e desnudez sobrenatural, quero arrojar-me a seus pés, rogando-lhe que tenha piedade de mim, que rogue por mim, pobre pecador, para que sinta interno conhecimento de meus pecados, grande horror deles, para que íntimo sentimento de minhas desordens me faça emendar e levanfar-me com decisão. - Não permitais. Senhora, que um vosso servo escureça a honra de vossa casa com tais pecados e vícios. Mas, pela vossa alvura imaculada, pelo horror que nutris pelo pecado, pela compaixão maternal com que buscai o pecador, intercedei junto a vosso Divino Filho, fazei que Ele interceda junto ao Pai, a fim de que me possa apresentar com a pureza que me fará digno escravo de vosso amor!