sábado, 24 de junho de 2017

Meditação - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 24º dia

Meditações - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 24º dia


    Aproximemo-nos do Altar; ali acharemos o Coração de Jesus desejo de nos unir a seu Apostolado.


    O grande apostolado do Coração de Jesus se exerceu sobre a Cruz. A oferenda que ali fez então a seu Pai, de seu corpo, de seu sangue, de sua vida e seus merecimentos, teve por efeito a salvação do mundo e o cumprimento da obra tão necessária da Redenção.
    Não julguemos entretanto que este apostolado de redenção tenha terminado no Calvário; o Coração de Jesus o exerce continuamente sobre nossos altares por meio da Missa. Para bem compreende-lo, é necessário recordar que o sacrifício do altar é o mesmo que foi oferecido na Cruz, com esta diferença que, na Cruz, o sangue de Jesus Cristo foi derramado realmente, ao passo que no altar o é só misticamente. Se estivesseis no calvário no momento da morte de vosso Salvador, com que devoção e enternecimento alma fiel, teríeis assistido a esse grande sacrifício! Pois bem! Reanimai vossa fé, e pensai que o que se fez então para a salvação das almas se faz ainda agora na Missa.
    Mas eis aqui grande motivo de consolação para vós: este apostolado redentor podeis exerce-lo com Jesus. Por quanto, devemos notar que o augusto sacrifício não é oferecido somente pelo sacerdote, mas ainda pelos fieis, como claramente o insinuam S. Pedro e S. João, o primeiro na sua epístola, o segundo no Apocalipse. 
    Cada vez, por tanto, que tendes a felicidade de vos achar presente á imolação do Cordeiro divino, concorreis com ele na redenção do mundo, sua ocupação de cada instante. Para este fim, quando ouvirdes a Missa, uni-vos as intenções de seu adorável Coração. Ele se oferecia sobre o Calvário, e ainda se oferece cada dia em nossos altares, para expiar todos os pecados que se cometem continuamente na terra; porque só ele pode satisfazer á justiça divina. Pois bem! durante a Missa, oferecei ao Padre eterno o Sagrado Coração com todos os seus merecimentos, e assim dareis a Deus satisfação completa por todos os pecados dos homens; fareis o que pode mais eficazmente aplacar a ira de Deus contra os pecadores e abater as forças do inferno, a coisa que grangeia as graças mais abundantes para os homens na terra e os maiores alívios para as almas do purgatório! Enfim. executareis a obra de que depende a salvação do mundo inteiro. Por uma Missa ouvida desta maneira, satisfareis a .justiça divina por vossas faltas, de modo muito melhor que por outras obras expiatórias quaisquer que sejam. Bem que a Missa seja de valor infinito, é contudo verdade que Deus não a aceita senão de maneira finita segundo as disposições daquele que assiste a e a estas disposições são como o vaso que cada um leva para receber os dons de Deus, e que o Senhor enche sempre: quanto maior é o vaso, tanto maior a abundância das graças que se obtém; esta é a razão pela qual é útil ouvir muitas Missas. O célebre duque, Afonso de Albuquerque, atravessando os mares, viu um dia seu navio despedaçar-se contra os escolhos. Por perdido já se considerava o grande homem, quando, percebendo um menino que chorava toma-o em seus braços, e, elevando-o para o Céu, exclama: «Se não mereço ser ouvido, ouvi ao menos os choros d'este menino inocente, e salvai-nos.» No mesmo instante a tempestade se acalma e o perigo desaparece.
    Tenhamos a peito operar nossa salvação, contribuir para a do próximo, e aproveitemos deste exemplo. Nós temos ofendido a Deus, merecemos ser condenados a morte eterna; a justiça divina quer ser satisfeita; que havemos de fazer? Desesperar? Oh! não, vamos prostrar-nos diante do trono da graça, isto é, ao pé do altar onde o Sacerdote eterno se sacrifica e ora por nós; ofereçamos a Deus o Coração amabilíssimo de Jesus que é seu Filho. Oh! com quanto interesse e eficácia este divino Coração pleiteará nossa causa! Este meio de salvação nos é aconselhado por Santo Anselmo. Ele diz que Jesus mesmo, urgido pelo desejo que tem de não nos ver abandonados a nossa ruma e perdição, dirige-se da seguinte maneira a quem esta curvado para com Deus: Pecador, tranquiliza-te: Se tuas iniquidades te tornaram escravo do inferno, oferece-me a meu Pai ; por este meio, escaparás á morte e serás salvo. Pode-se, acrescenta o santo Doutor, pode-se imaginar maior misericórdia que a do Filho de Deus, dizendo ao homem: Eis-me aqui, resgata-te! 

Prática

    Direi cada manhã com os membros do apos­tolado da oração: Divino Coração de Jesus, eu vos ofereço, pelo Coração imaculado de Maria, todas as minhas orações, ações e padecimentos deste dia, em união com todas as intenções que tendes imolando-vos sem cessar sobre nossos Altares. Depois disto, direi o Pai Nosso, a Ave Maria, Creio em Deus Padre, e ajuntarei: Divino Coração de Jesus, fazei que eu vos ame cada vez mais. É tão belo salvar as almas! ouvirei cada dia a Missa nesta intenção. 

Afetos e Súplicas

    Pai celeste, eu, miserável pecador digno do inferno, nada tenho para vos oferecer em expiação de meus pecados; mas, ofereço-vos o Coração inocente de vosso Filho que se imola sobre nossos altares, e por seus merecimentos vos peço misericórdia. Se eu não tivesse este divino Coração para vos oferecer, estaria perdido, não haveria mais esperança para mim; mas vós m'o destes, para que eu possa esperar minha salvação por seus merecimentos. Senhor, minha ingratidão tem sido enorme, mas vossa misericórdia é maior ainda. E que maior misericórdia podia eu esperar de vós do que a que me haveis feito, dando vosso próprio Filho como vítima digna de vos ser oferecida em expiação de meus pecados? Pelo amor então de Jesus Cristo, perdoai minhas iniquidades, concedei-me a santa perseverança. Ah! meu Deus, se vos ofendesse ainda depois de me haverdes esperado com tanta paciência, depois de me haverdes perdoado com tanto amor, não mereceria que um inferno fosse criado de proposito para mim? Por piedade, meu Pai, não me abandoneis; tremo em pensar nas infidelidades de que me fiz culpado contra vós: quantas vezes voltei-vos minhas costas depois de haver prometido vos amar! Ó meu Criador, não permitais que eu tenha a desgraça de me ver de novo privado de vossa graça! oh! não, dir-vos-hei com Santo Inácio: Não permitais que eu me separe de vós; Não permitais que eu me separe de vós. Repito e quero repetir esta súplica até o derradeiro suspiro de minha vida: Não permitais que eu me separe de vós. Meu Jesus, ó caro amor de minha alma, prendei-me a vosso divino Coração pelas cadeias. do vosso amor; eu vos amo e quero vos amar eternamente: Não permitais que eu me separe jamais de vós.

Oração Jaculatória

    Ó conquistador dos corações, reinai sobre os corações dos homens.