segunda-feira, 26 de junho de 2017

Meditação - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 26º dia

Meditações - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 26º dia


Aproximemo-nos do tabernáculo : ali acharemos o Coração de Jesus esperando de nós uma visita de reparação. 


     Oh! Quem me dera ter o coração, a voz e as lágrimas de um S. Francisco de Assis, para bradar por todo o mundo:  O amor não é amado! O amor não é amado! Não há pena mais cruel para um coração amante do que ver seu amor desprezado e seus benefícios pagos com ingratidão. Se o Coração de Jesus pudesse ainda agradecer agora como na sua vida mortal, a maior parte de nossos tabernáculos seriam para ele outros tantos jardins de Oliveiras. 
   Notai os extremos de seu amor para com os homens! Por causa deles, o divino Coração chegou a velar no Santíssimo Sacramento sua majestade, a obscurecer sua glória; chegou a consumir, aniquilar sua vida sagrada; numa palavra, sobre os altares, ele parece não ter outra ocupação que amar os homens. Mas que reconhecimento lhe testemunham esses ingratos?
    Sim, sua ternura é excessiva, pois ele preferiu nossa vantagem á sua própria dignidade. Não sabia Jesus então a que desprezos devia expo-lo esta invenção de seu amor? Nós somos testemunhas, e ele bem o viu antes de nós, a maior parte dos homens não o adoram e não querem reconhece-lo por aquilo que ele é n'este Sacramento. Mais de uma vez, sabemos, estes mesmos homens ousaram calcar aos pés as hóstias con­sagradas, lança-las na terra, atira-las no fogo. Vemos ainda que grande número daqueles que creem n'ele, ó Céus! Longe de repararem tantas injúrias, por suas piedosas homenagens, aumentam suas penas por suas irreverencias nas Igrejas, ou ao menos o abandonam só sobre os altares, algumas vezes até sem lâmpada e sem os ornamentos necessários.
     A esta lembrança, um grito deve repercutir no fundo de toda alma generosa: Reparação! Reparação! Aliás qual é o meio mais eficaz de reparar tantos ultrajes? é prostrarmo-nos muitas vezes ao pé dos altares, e rogarmos ao Coração de Jesus a conversão daqueles que o ofendem. Com efeito, quando um pecador se converte, quando lava seus pecados passados nas lágrimas de seu arrependimento, e começa uma vida toda nova, faz a mais bela das reparações Aquele que veio entre nós, não tanto para os justos como para os pecadores, Aquele cuja gloria é salvar as almas. O Senhor dizia um dia á santa Maria Magdalena de Pazzi: Almas queridas de meu Coração, a vós é que confiei a cidade de Refúgio (isto é a Paixão, ou a memoria a Eucaristia renova continuamente) a fim de que saibais aonde podeis vir em socorro as minhas criaturas; ide então e dai vosso socorro a essas pobres almas que perecem, oferecendo vossa vida por elas. Dai, inflamada em ardente zelo, a santa oferecia a Deus cinquenta vezes por dia, o sangue do divino Redentor pela salvação dos pecadores, e não deixava quase passar uma hora do dia sem orar por eles; muitas vezes ainda, ao bater meia noite, ela ia aos pés do Santíssimo Sacramento interceder em favor deles. Apesar de tanto fervor encontraram-na um dia toda em lacrimosa, e como lhe perguntassem a causa de sua dor, respondeu: Choro, porque me parece que não faço nada pela salvação dos pecadores. Ela se oferecia muitas vezes como vítima, chegando a dizer: Senhor, fazei-me morrer e reviver bastantes vezes para satisfazer a vossa justiça em favor deles. Assim é que esta grande santa compreendia a reparação dos ultrajes feitos ao Coração de Jesus Cristo.
    Reparação! Reparação! Tal deve ser o grito de toda alma que se lembra de ter sido outrora ingrata para com Jesus no seu Sacramento. E se, no futuro, tivéssemos ainda a desgraça de lhe causar mágoa, excelente meio de consolação seria irmos, com inteira confiança, lançar-nos a seus pés para lhe pedirmos perdão. O Coração de Jesus é fonte aberta para todos os homens, fonte onde podemos, quantas vezes quisermos, limpar nossas almas de todas as manchas que contraimos cada dia pecando. O mais pronto remédio nas faltas em que cai o christão, é recorrer logo ao Sagrado Coração de Jesus no Santíssimo Sacramento.

Prática

     Nas minhas visitas de cada dia ao Santíssimo Sacramento farei reparação ao Sagrado Coração de Jesus pelos pecados que se cometem no mundo, principalmente por tantos sacrilégios, que nascem quer da falta de sinceridade na confisão; quer da falta de verdadeira conversão. 
Direi muitas vezes, como reparação, a seguinte oração jaculatória: Meu .Jesus, misericórdia ! (100 dias de indulg., 23 Setembro de 1846.) 

Afetos e Súplicas

     Ó Jesus, meu amabilíssimo, dulcíssimo e amadíssimo Salvador, vida, esperança, tesouro, único amor de minha alma, quanto vos tem custado ficar entre nós neste Sacramento! foi necessário que morresseis para permanecerdes sobre nossos altares. E depois, neste Sacramento mesmo, quantos ultrajes tendes sofrido para nos dardes o beneficio de vossa presença! Tudo cedeu ao vosso amor e ao desejo que tendes de ser amado de nós. Ah! Meu terno Salvador, quem me dera poder lavar com minhas lágrimas e até com meu sangue esses tristes logares em que vosso Coração cheio de amor recebeu tantos ultrajes no Santíssimo Sacramento! Mas se esta consolação não me é concedida, desejo ao menos, Senhor, e proponho visitar-vos muitas vezes para vos adorar, em compensação dos desprezos que recebeis da parte dos homens n'este divino mistério. Dignai-vos, ó Padre eterno, acolher esta fraca homenagem que vos rende hoje o mais miserável dos homens, em reparação das injúrias feitas a vosso divino Filho sobre nossos altares: aceitai-a, dignando-vos uni-la a honra infinita que Jesus Cristo vos deu na Cruz, e vos dá ainda todos os dias no seu Sacramento. Ó meu Jesus, pudera eu inspirar a todos os homens o mais ardente amor para com vosso Sacramento de amor.


Oração Jaculatória

Ó meu Salvador, em amor para convosco ardam todos os corações, como o Vosso arde em amor para conosco!