quinta-feira, 15 de junho de 2017

Meditação - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 16° dia

Meditações - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 16° dia

Vamos a Jerusalém, ali acharemos o Coração de Jesus aceitando todos os desprezos

    Sabendo que Judas se aproximava, acompanhado de um tropel de Judeus e soldados para prende-lo, o divino Redentor levanta-se ainda banhado todo de suor e sangue, o rosto pálido, mas o Coração inflamado em amor, e diz a seus discípulos: Levantai-vos, vamos (Marc. 14,42). E aonde ia com tanta pressa? Ia ao encontro de todos os desprezos que ele se resolvera a sofrer por nós. Os desprezos causam mais dor aos grandes corações que os padecimentos corporais, porque tocam diretamente na alma, infinitamente mais nobre e por conseguinte  mais sensível que o corpo. Mas quem poderia imaginar que a mais augusta personagem da terra e do céu, o Filho único de Deus, que viera ao mundo fazer-se homem por amor dos homens, teria de receber da parte deles desprezos e injúrias como se fosse o último e mais vil de todos os homens? Tal foi entretanto o acolhimento feito a nosso divino Salvador: Nós o vimos, diz Isaías, desprezado e feito o último dos morais. (Is 53,2). Santo Anselmo assegura que Jesus Cristo quis sofrer na sua Paixão tão profundas humilhações, que não era possível que ele fosse mais humilhado.
    Jesus foi traído e vendido por tinta dinheiros por um de seus discípulos, e negado por outro. Foi arrastado pelas ruas de Jerusalém, amarrado como um malfeitor, e abandonado de todos. Foi indignamente flagelado como vil escravo, esbofeteado em público, tratado como louco por Herodes, que mandou vesti-lo de túnica branca, querendo por este modo faze-lo passar por homem ignorante e estúpido. Foi tratado como rei de teatro, na mão puseram-lhe uma cana grosseira a guisa de cetro, nas espadoas um pedaço de estofa vermelha em lugar de púrpura, e na cabeça, por motejo de sua dignidade real, coroa de espinhos; depois disto, saudavam-no chamando-lhe, por escarneo, Rei dos judeus, cobriam-no de escarros e desfechavam-lhe golpes.
    Nosso Senhor quis enfim morrer por nós, e qual foi a sua morte? A mais ignominosa de todas, o suplício da cruz. Ele se humilhou, diz São Paulo, obedecendo até a morte, e morte de cruz. Só eram crucificados os criminosos mais vis e dignos de ódio; seus nomes eram para sempre malditos e infamados, conforme aquilo que se lê: Maldito o que pende na cruz. Eis ai a razão pela qual São Paulo diz que Jesus se tornou-se maldição para nós. Ah! O Coração de Jesus qusi toamr sobre si esta maldição para nos salvar da maldição eterna. Mas, Senhor, neste estado de ignominia, que é feito de vossa glória, vossa majestade? Não busquemos aqui em Jesus glória nem majestade; porque ele vem nos dar o exemplo da humildade, e manisfetar-nos o amor que tem aos homens, amor que o pôs de certo modo fora de si mesmo, diz Santo Tomás de Vilanova. Ó graça! Ó força do amor de um Deus! Exclama São Bernardo, eis que o soberano Senhor, de todos os homens, tornou-se o último de todos! E quem fez isto? É o amor de Deus para com os homens. Jesus quis nos provar assim quanto nos ama, e nos ensinar por seu exemplo a suportarmos com paciência os desprezos e as injúrias. Visto como um Deus assim se humilhou por amor do homem, repugnará ao homem humilhar-se por amor de Deus? Nós devemos ter sentimentos conformes aos do Coração de Jesus, diz o Apóstolo. (Phil. 2,5). Não merece uma pessoa o nome de Cristão senão quando se humilha e procura imitar o exemplo de Jesus Cristo.
    Escolhendo morte tão ignominiosa, o Coração de Jesus enobreceu e nos tornou amáveis os desprezos e as ignominias. Também todos os santos de tal modo se cativaram e foram ávidos dos desprezos, que pareciam não ambicionar nada neste mundo senão serem humilhados e calcados aos pés por amor de Jesus Cristo. As pessoas do mundo são menos felizes nas honras que se lhes dão do que os santos nos desprezos que recebem. Quando o irmão Junipero franciscano, era injuriado, tomava sua túnica e a conservava como para recolher pérolas. Cada vez que esta santa alma recebia uma injúria, corria alegre para ante o Santíssima Sacramento, e dizia: Senhor, muito pobre sou para ter alguma coisa do preço que possa vos oferecer, mas ofereço-vos este pequeno presente que acabo de receber. Oh! Quão agradável é ao Coração de Jesus a alma que se compraz nos desprezos! São Paulino não teme dizer que ela fica sendo o Coração mesmo de Jesus Cristo: Humilis corde Cor Christi est. O santo quer dar a entender por estas palavras o amoroso amplexo com que Deus abraça uma alma humilde.

Prática

    Observarei a excelenta prática ensinada pelo padre Torres aseus penitentes; consiste em rezar cada dia um Pai Nosso e Ave Maria, em honra das humilhações do Coração de Jesus, e receber por seu amor com paciência e alegria todas as afrontas que nos podem ser feitas.

Afetos e Súplicas

    Ó Coração de Jesus, que gostes tão desprezado, quanto vosso exemplo tornou os desprezos agradáveis e caros aqueles que vos amam! Como é então que, em vez de os receber com alegria como vós, procedi com tanto orgulho para com aqueles que me desprezaram! Ai! Cheguei até a ofender vossa Majestade infinita: sou pecador e soberbo! Ah! Senhor, agora compreendo, não tive a força de suportar as afrontas com paciência, porque não soube vos amar; se vos tivera amado, preciosas as tivera achado! Mas, pois que prometeis o perdão a quem se arrepende, arrpendo-me de toda a minha alma das desordens de toda a minha vida, que tem sido tão diferente da vossa. Decidido está, quero corrigir-me, por isso vos prometo sofrer de agora em diante com resignação todos os ultrajes, e isto por vosso amor, ó meu Jesus, que fostes tão desprezado por amor de mim! Sei que as humilhações mereço por ter desprezado vossa graça. mereço ser calcado aos pés dos demônios. Mas na inexaurível misericórdia de vosso Coração ponho a minha esperança, ó Salvador meu. Quero mudar de vida e não quero mais vos ofender, de agora em diante nada procurarei senão fazer vossa vontade. Tantas vezes mereci ser precipitado nas chamas do inferno! Ó vós que vos dignastes esperar-me até este dia, e ainda perdoar-me como tenho confiança, fazei que, em vez de arder nesse horrível fogo, eu me abrase no suave fogo de vosso santo amor. Não quero mais vos amar senão a vós só: quero que meu coração pertença a vós só; por piedade, tomai posse dele, e possui-o eternamente: seja eu sempre para vós e vós sempre para mim, ame-vos eu sempre e vós a mim também. De mim fazei o que for de vosso agrado; uma vez que me deis a graça de vos amar, fazei de mim o que quiserdes; vosso amor será para sempre meu único amor. Maria, minha esperança, Mãe do belo amor, fazei que ame com amor ardente e eterno o Coração infinitamente amável de Jesus.

Oração Jaculatória

Ó Coração criado de propósito para amar os homens, como podem os homens vos desprezar?