quarta-feira, 7 de junho de 2017

Meditação - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 07º Dia

Meditações - Mês do Sagrado Coração de Jesus - 07º Dia

Vamos ao Egito, ali acharemos o Coração de Jesus carregado dos pecados do mundo


    A maior pena de um exilado, é ser considerado como criminoso e indigno de morar entre seus concidadaões. Pois bem! O Coração de Jesus quis submeter-se a esta humilhação. Tomando sobre si nossas iniquidades, que nos tinham feito excluir da pátria celeste, não devia ele sofrer a pena do banimento pronunciada contra nós? Na antiga lei fazia-se cada ano a cerimônia do bode emissário, que o sumo sacerdote carregava de todos os pecados do povo; depois disto, enxotavam-no para o deserto, como objeto da ira de Deus. Este bode representava nosso Redentor, que se dignou tomar sobre si todas as maldições que merecemos por nossas faltas e tornar-se a maldição mesma, segundo a expressão de S. Paulo, a fim de nos obter a benção divina.
   Considerai então o Verbo divino fugindo para o Egito, e perseguido antes pela ira de seu Pai que pela espada de Herodes. É que ele quis, não somente tomar a forma de pecador, mas ainda carregar-se de todos os pecados dos homens, diz Isaias, a fim de sofrer a pena deles, como se os pecadores fossem seus superiores. Pensemos aqui que opressão e agonias sofreu o Coração de Jesus Menino, quando assim, carregado de todas as iniquidades do mundo, viu que a justiça divina lhe exigia plena satisfação.
    O Salvador via claramente a malícia de cada pecado, pois que, pela luz de sua divindade, conhecia, infinitamente melhor do que todos os homens e anjos, a bondade infinita de seu Pai e o direito infinito que ele tem de ser amado e respeitado; e via-se carregado de multidão inumerável dos pecados que tinham cometido e cometeriam ainda os homens, pelos quais ele devia sofrer e morrer. O Senhor revelou um dia Santa Catarina de Genova a fealdade de um só pecado venial, e esta vista causou-lhe tanto espanto e dor, que caiu sem sentidos. Qual então deveu ser a pena do Coração de Jesus Menino, quando, apenas nascido, viu-se na dura necessidade de tomar o caminho do exílio, como outrora o bonde emissário, carregado de todas as nossas iniquidades! Jesus, perseguido por Herodes e pela ira de seu Pai, naturalmente nos faz pensar no pecador assaltado de temores, pungido de remorsos e perseguido pela ira de Deus e por sua consciência criminosa.
   O pecador traz consigo o temor da vingança divina. Quando alguém tem como inimigo um homem poderoso, não pode comer nem dormir em paz. Que será ter por inimigo o Onipotente? Aquele que está em pecado, oh! Como se espanta quando a terra treme, quando o trovão ribomba! Uma folha que cai basta para o espantar. Ele foge continuamente sem que ninguém o persiga: engano-me, é perseguido pelo pecado mesmo. Depois de ter matado seu irmão Abel, Caim julgava que todos tinham as mãos erguidas contra ele para lhe arrancar a vida; e embora o Senhor lhe tivesse dado certeza de que nenhum mal lhe seria feito, ele não cessou, desgraçado! De fugir de um lugar para outro, como a Escritura nos ensina. Quem então perseguia Caim? Seu pecado.
    Além disto, o pecado faz nascer o remorso, este verme terrível, que não cessa de roer a consciência criminosa. O pecador vai ao espetáculo, ao baile, a um banquete, e por toda parte a consciência brada: Desgraçado! Tu estás na inimizade de Deus, se te acontece de morrer agora, para onde irás? Esta repreensão interior é um tormento tão grande ainda nesta vida mesma, que, para livrar-se dela, já se tem visto criminosos suicidar-se. Um deles foi Judas, que, como se sabe, enforcou-se de desespero.
   Oh! Que reconhecimento os pecadores devem ao Coração de Jesus! Porque, conservando-se puro da mancha do pecado, ele quis todavia tomar sobre si todas as misérias que a natureza humana tinha atraído para si em punição do pecado! Sim, para nos salvar, Jesus ofereceu-se voluntariamente a seu Pai em expiação de nossas faltas, e Deus Pai o carregou de todas as nossas iniquidades.


Prática
    Para não sucumbir nas tentações, considerarei, de um lado o pecador perseguido pelos temores e remorsos, de outro, o Coração de Jesus temendo mais as perseguições do pecador que as de Herodes.

Afetos e súplicas
    Amadíssimo Redentor, eu sou um desses ingratos que pagaram vosso amor imenso, vossas dores e vossa morte, por ofensas e desprezos.Como pois, prevendo minhas ingratidões, haveis podido amar-me tão ternamente, e resolver-vos a suportar por mim tantas humilhações e padecimentos? Ai! O mal está feito, mas não quero desesperar. Senhor, dai-me agora a contrição que merecestes por vossas lágrimas; meu desejo é que meu arrependimento iguale minhas inimizades. Ó Coração cheio de ternura de meu Salvador, Coração outrora tão afligido e amargurado para minha salvação e agora ainda tão inflamado de amor para comigo, eu vos rogo, mudai meu coração, dai-me um coração capaz de reparar os desgostos que vos causei, e amor tão grande como foi minha ingratidão. Mas sinto já vivo desejo de vos amar; isto agradeço, meu Jesus, vejo assim que tivestes a bondade de enternecer meu coração. Detesto e aborreço de todo o meu coração os pecados que cometi; quem me dera apaga-los com meu sangue! Agora prefiro vossa amizade a todas as riquezas e todas as honras. Desejo agradar-vos quanto me for possível. Amo-vos, ó amabilidade infinita. mas vejo que meu amor é muito fraco; aumentai-lhe a chama, dai-lhe mais ardor: Ah! Devo corresponder a vosso amor por um amor muito mais ardente, pois tanto vos ofendi, e, em vez de castigos, recebi de vós tantos e tão insignes  favores. Ó Bem Supremo, não permitais que eu continue a viver na ingratidão, após tantas graças que me tendes feito, Dir-vos-ei com S. Francisco: Morra eu por amor de vosso amor, ó vós que vos dignastes morrer por amor de meu amor! Maria, minha esperança, ajudai-me, recomenda-me ao Coração de Jesus.

Oração Jaculatória
Coração amabilissimo de Jesus, ensinai-me vossa humildade.