terça-feira, 12 de setembro de 2017

Sexto dia preparatório (12 dias preliminares) - As máximas de Jesus Cristo parte 2

SEXTO DIA

Meditação - As máximas de Jesus Cristo

PREPARAÇÃO

Contra o espírito de satisfação dos próprios instintos - de sensualidade e de egoísmo, - que os mundanos cultuam como regra absoluta de vida. Nosso Mestre e Senhor Jesus Cristo nos ensina a pureza de coração, a misericórdia e a paz, confortando-nos nas perseguições do mundo, com as promessas da visão de Deus, da filiação Divina, da posse do Reino Eterno.


MEDITAÇÃO
Prelúdios

- Figuro-me entre os que ouvem a palavra de Jesus na Montanha das Bem-Aventuranças, minhas mãos nas mãos de Maria, em cujo rosto vejo espelhar-se a plena realização das divinas promessas.
Divina Mãe do Bom Conselho, prendei-me junto de vós para que na vossa presença não ouse seguir minhas inclinações egoístas, mas antes ouvir e pôr em ação as bem-aventuranças da pureza e da misericórdia.

PONTO I
BEM-AVENTURADOS OS PUROS DE CORAÇÃO

Aos olhos do mundo, a pureza é impossível. E os mundanos a rejeitam em nome da natureza, da ciência, da arte... e aceitam todas as consequências, tornando o ambiente do mundo uma perpétua ocasião próxima de pecado, nas casas, nas ruas, nas salas de diversões, nas mostras de arte, nos
insidiosos meios de comunicação. Não querem frenar seu instinto de prazer sensual, antes dele fazem objeto de uma falsa ciência psicológica... E por isso o mundo é uma treva, amarga e sórdida! Infelizes! Porque a Palavra Eterna de Deus anunciou, ao invés que são bem-aventurados os que têm
puro o seu coração, sua alma, seu corpo, sua vida. Sim. É preciso força sobrenatural. Não pode haver continência, se Deus a não der. Sem embargo, a ninguém é recusada essa graça: “Pedi e recebereis, batei e vos abrirão”.
A promessa da bem-aventurança: verão a Deus! Porque têm o coração livre, porque têm o coração simples. E vêem a Deus, no céu, não só, mas na terra também, em todos os acontecimentos, em todas as pessoas, nos amigos, como nos inimigos, nas coisas, na natureza, nas aves do céu, nos lírios do campo... Oh! A felicidade do coração puro!


PONTO II
BEM AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS
E OS PACÍFICOS

Para o espírito do mundo: “a misericórdia é imoral" e “são indignos de existir aqueles que não sabem viver em guerra”.
Profundamente radicado em nós, o instinto de nosso egoísmo leva-nos a fechar nosso coração ante as misérias de nossos irmãos, a recusar o perdão e a pugnar acremente pelos nossos direitos, a fechar os olhos ante as injustiças sociais, marginalização e opressões clamorosas.
Mas a Sabedoria Encarnada nos revela outros caminhos, e nos orienta para a misericórdia e a paz. Filhos de Deus, havemos de ser como nosso Pai que tem grande misericórdia, abundante Redenção e tesouros imensos de doçura e de bondade”.
Acolher sempre, perdoar, esquecer as ofensas. Compadecer-se da pobreza, da enfermidade, da miséria moral. Rezar pelos abandonados, ampará-los, defendê-los, sufragar as almas do Purgatório... é a ternura Divina do Coração do Mestre que passa mediante a bênção de Maria, para o coração dos fiéis discípulos, penhor da misericórdia que encontrarão, no limiar de sua eternidade...
Na Consagração, vou entregar a Nossa Senhora também o valor satisfatório e impetratório de minhas boas ações todas. Exercer-me, assim, no hábito e virtude da misericórdia, para encontrar misericórdia ante o meu Juiz!


PONTO III
BEM-AVENTURADOS OS QUE SOFREM PERSEGUIÇÃO

Para assegurar a tranqüilidade à própria fama e haveres, os do século recordem a todas as armas, ainda mesmo as ilícitas da fraude, calúnia, venalidade, opressão. Porque o mundo julga que a felicidade é não sofrer perseguição e opróbrio.
Não assim o Espírito de Jesus. Ele foi perseguido e profetizou a seus discípulos que o seriam também (Jo 15, 20). Porque a obediência fiel às leis de Deus, na vida individual, na vida social, na vida profissional, a constância ao bem, o bom exemplo malgrado todos os respeitos humanos, a defesa intimorata dos direitos de Deus, da Santa Igreja, dos marginalizados e sem voz, - tudo é causa de perseguição, por vezes feroz e sangrenta. Mas se os mundanos querem por paga de sua tranqüilidade criminosa, o gozo da terra, os fiéis de Jesus, em troca das perseguições terão o Reino dos céus.
Consagrado a Maria, “serei perseguido mais que os outros:, porque sendo Maria a Mãe dos vivos, a todos os seus filhos entrega pedaços da Árvore da vida que é a Cruz de Jesus” (Montfort, T.V.D.). Mas a Cruz me levará à luz eterna.


COLÓQUIO

Mãe Puríssima, Mãe de Misericórdia, quero amar-vos tanto que meu amor me faça semelhante a vós, em vossa inefável Pureza, em vossa maternal misericórdia. Como vós, então, verei a Jesus! Como vós o vistes toda a vossa existência, dia e noite, no trabalho e no repouso, na alegria e na dor, no presépio, no lar, na Via-Sacra, no Calvário! Fechai meus olhos para que não vejam as loucas vaidades do século, e abri-os somente para os encantos da Humanidade de Jesus, para a beleza de vossa face querida! E que a vossa misericordiosa bondade para com este mísero filho vosso, ensine-me a ter, para com o meu próximo, o amor, a mansa caridade que me fará deveras filho de Deus.


RAMILHETE

A misericórdia é perfume que se exala no lírio da pureza. Como o Coração Imaculado de Maria, é doce todo o coração virginal.
“Em ti a misericórdia, em ti a piedade.
Em ti a magnificência; em ti se soma
Tudo quanto na criatura existe de bondade”.
(Dante, Parad. XXXIII).


SANTO EVANGELHO (Mt 10. 16-28)
CONFORTO NAS PERSEGUIÇÕES

Eis que eu vos envio como ovelhas no meio dos lobos. Sedes prudentes como as serpentes, e simples como as pombas. Guardai-vos, porém, dos homens. Arrastar-vos-ão para os seus tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas, e por minha causa sereis levados à presença dos governadores e dos reis, para lhes servirdes, a eles e aos gentios, de testemunho. E quando vos levarem, não cuideis com o que haveis de falar. Porque não sois vós que haveis de falar, mas o espírito de vosso Pai é o que fala em vós. E um irmão entregará a morte a outro irmão, e o pai ao filho; e os filhos se levantarão contra os pais e lhes darão a morte. E vós, por causa do meu Nome, sereis odiados por todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse é que será salvo. Quando, porém, vos perseguirem numa cidade, fugi para outra. Em verdade vos digo: não acabareis de correr as cidades de Israel, antes que venha o Filho do Homem. Não é o discípulo mais do que o seu Mestre, nem o servo mais do que o seu Senhor. Basta ao discípulo ser como seu Mestre e ao servo como seu Senhor. Se ao pai de família chamaram de Beizebu, quanto mais aos seus domésticos? Não os temais, contudo. Porque nada há
de oculto que não venha a descobrir-se, nem segredo que se não venha a saber. O que eu vos digo às escuras, dizei-o às claras. E o que ouvis pelo ouvido, publicai-o pelos telhados. E não temais aos que matam o corpo e não podem matar a alma. Temei antes o que pode lançar ao inferno tanto a alma como o corpo.


IMITAÇÃO DE CRISTO (L I. c. XII)
PROVEITO DAS ADVERSIDADES

Bom é que de tempos a tempos nos sucedam coisas adversas; e venham trabalhos, porque fazem recolher o homem dentro de seu coração, para que conhecendo que vive em desterro não ponha a sua esperança em coisa alguma do mundo.
Bom é que padeçamos algumas vezes contradições e que os homens pensem mal ou pouco favoravelmente de nós, ainda que façamos bem e tenhamos boa intenção. Estas coisas de ordinário nos ajudam a ser humildes e nos defendem da vanglória.
Porque então melhor buscamos a Deus por testemunha interior, quando exteriormente somos desprezados dos homens, e pensam mal de nós. Por isso deveria o homem firmar-se de tal modo em Deus. que lhe não fosse necessário buscar muitas consolações humanas.
Quando o homem de boa vida é atribulado, ou tentado, ou combatido de maus pensamentos, então conhece ter de Deus maior necessidade, experimentando que sem Ele não pode fazer coisa boa.
Então se entristece, geme e pede ao Senhor o livre dos males de que padece.
Sente que se lhe dilata a vida, deseja que se lhe apresse a morte para ser desatado das prisões do corpo, e ir unir-se com Cristo.
Conhece também que não há nem pode haver no mundo perfeita segurança nem paz completa.


LEITURA (Montfort, Amour de la Sagesse Etemelle, pág. 137 ss)
EFEITOS MARAVILHOSOS DA DIVINA SABEDORIA

O maior prazer desta beleza soberana é de comunicar-se, porque é naturalmente amiga do bem, (Sb 7,22), sobretudo do bem da criatura humana.
E por isso busca almas dignas e se expande nelas (Sb 7,27). Esta comunicação da Sabedoria Eterna é que faz os amigos de Deus e os profetas.
Outrora ela entrou na alma do servo de Deus, Moisés, e lhe comunicou uma luz abundante para ver grandes coisas, e maravilhosa força para obrar milagres e alcançar vitórias (Sb 10,16).
Quando entra numa alma, a Divina Sabedoria consigo traz toda a sorte de bens e comunica riquezas inumeráveis (Sb 7,11). Entre uma infinidade de operações que a Sabedoria realiza nas almas, muitas vezes de maneira tão socreta que a mesma alma não percebe, eis algumas das mais comuns:
A Sabedoria comunica seu espírito de luz à alma que a possui (Sb 7,7). Desejei e me foi dada a inteligência. Invoquei e o espírito da Sabedoria veio a mim. Espírito sutil e penetrante, mercê do qual um homem, a exemplo de Salomão, julga tudo com grande discernimento e grande penetração (Sb 8,11).

Ela comunica ao homem a grande ciência dos santos, e as outf ciências naturais, mesmo as mais impenetráveis, quando conveniente (Sb 8,8). É nesta fonte infinita de luzes que os maiores doutores da entre outros Santo Tomás de Aquino, como se deduz de suas palavra foram beber estes admiráveis conhecimentos que não são áridos, estéreis indevotos, mas antes luminosos operantes, cheios de unção e de piedade que tocam o coração esclarecendo o Espírito.
A Sabedoria não dá somente ao homem luzes para conhecer a verpacie senão ainda lhe transmite capacidade singular para a fazer conhecida cIq^ outros (Sb 1,7). Pois que a Divina Sabedoria é uma palavra, na eternidade no tempo, Ela sempre tem falado, e nesta palavra tudo foi (eito e reparado
Ela faiou pelos Profetas, pelos Apóstolos, e há de falar até o fim dos século pela boca dos a quem ela se tiver dado.
Mas as palavras que a Divina Sabedoria comunica não são comuns naturais e humanas. São palavras divinas, verdadeiramente o verbo de Deus (iTs 11.13). Palavras fortes, tocantes, penetrantes. (Hb 4,12) que partem do coração daquele por quem Eia faia e vão até o coração do que ouve.
A Sabeoria Eterna, objeto da felicidade e compiacéncias do Pai Celeste, alegra aos anjos, é para o homem que a possui o princípio das mais puras edoces consolações. Dá o gosto das coisas de Deus e faz perder o gosto das criaturas. Rejubila o Espirito peias suas luzes, derrama no coração uma alegria, uma paz e uma doçura inefáveis ainda entre as tribulações mais rudes, segundo o testemunho de São Paulo; “Estou inundado de alegria no meio de todas as tribulações" (2 Cor 7,4).
Quando a Sabedoria se comunica a alguém, dá-lhe todos os dons do Espírito Santo e todas as virtudes em grau eminente; uma fé viva, uma esperança firme, uma caridade abrasada. Temperança equilibrada, consumada justiça, força invencível, bondade perfeita. Religião esclarecida, profunda humildade, doçura encantadora, obediência total, mortificação contínua, oração sublime.
Enfim, como nada há mais ativo que a Sabedoria, (Sb 7,24), ela não deixa estagnar na tibieza e negligência os que gozam de sua amizade. Inflama- os, inspira-lhes grandes cometimentos para a glória de Deus e a salvação dos irmãos. Para experimentá-los e os tornar mais dignos dela, proporciona-lhes grandes combates, provocações e contradições, de toda parle, dos
inimigos, dos próprios amigos e parentes. Mas a aflição será leve e grande a recompensa, porque Deus os experimentou e os achou dignos.
Experimentou-os como o ouro no cadinho e os recebeu como hóstia do holocausto, e repousará olhares de benção sobre eles quando chegar o tempo (Sb 3,4,5,6). A Sabedoria os protegeu contra os inimigos, defendeu-os dos sedutores, induziu-os em rude combate para que se tornassem vitoriosos e conhecessem que a Sabedoria é a mais poderosa de todas as forças (Sb 10,10,11,12).